Subindo o rio

Havia chegado a hora de partirmos de Nhamundá rumo a Parintins, mas uma situação nos deixava incomodados. Um cãozinho que só encontrávamos vagando à noite, com uma lesão nos olhos. Na rua, sempre escura, não conseguíamos um diagnóstico preciso, e o pior, não encontrávamos o responsável por ele. Pelas informações ele tinha um dono, mas ficava pelas ruas como quase todos os outros cães daqui.

Saímos da pousada às 4h da manhã, carregamos as malas em um triciclo e comentei com alguns membros da equipe se estavam vendo o cachorrinho. Logo ele foi localizado e por uma grande coincidência nosso carregador de malas era seu dono. Disse que ele está assim há mais de ano, e que nunca tratou, pois na região não tem veterinário. E não tem mesmo. Nas várias localidades que passamos o único veterinário que encontramos se dedicava mais a inspeção sanitária de um abatedouro.

Voltando ao cachorrinho do olho, descobrimos que se chama Marrone, e o Sr Arraia, seu dono, se comprometeu a medicá-lo conforme nossas orientações. Como são medicamentos específicos que não temos, enviaremos pelo correio nos próximos dias.

Nosso barco para subir o rio foi uma lancha rápida, como é chamada por aqui. Uma embarcação para 12 pessoas. O Capitão, de descendência indígena colocou seus óculos Ray Ban, acelerou os motores, ligou um cd da Roberta Miranda no último volume, singrou primeiro pelos pequenos rios afluentes até cair no grande Amazonas, que nos trouxe direto até Parintins. Amanhã é dia de mutirão, alias 3 dias seguidos. Mandarei notícias.

Fotos:

Marrone, enfim localizamos seu responsável

4h da manhã prontos para partir

Amanhecer no rio

Hora do banho

Há muitos caminhos pelos paranás, como são chamados os pequenos rios. O capitão precisa conhecer bem os caminhos e os pontos onde há risco de encalhar.

Praia imprópria para banhos

Tô atrasado

Até aqui tem cachorro?

Cadê a floresta? O gado comeu!

Cadê o gado? O homem comeu!

Nosso Capitão, atento aos caminhos pelos rios

Imensidão do rio Amazonas

Em alguns trechos não se enxerga o outro lado do rio, tamanha sua largura

Barco curral – Balsa transportando gado para o abate

Chegada a Parintins, vista da portoviária

Mais fotos:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Atenção: “O Veterinário Wilson Grassi está a convite da WSPA como cirurgião. Seus relatos retratam opinião pessoal sua e não são necessariamente endossadas pela entidade, sendo assim estes textos de sua inteira responsabilidade”

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: